Supercopa Cachoeira de Paulo Afonso revelou craques para o mundo


Equipe do Campinense-PB, na Supercopa em 2011.

A Supercopa Cachoeira de Paulo Afonso de Futebol, sem dúvidas, tem um grande significado para muitos garotos que, por ela, passaram. Os primeiros passos para se tornarem craques são as competições existentes pelo Brasil. "Os sonhos muitas vezes não são realizados na primeira disputa, o garoto vislumbra um grande clube, sonha em chegar à seleção brasileira, porém, são muitos obstáculos a serem vencidos," enquanto professor e técnico de futebol, procuro encaixar todos eles ao mundo real do futebol e suas disputas por vezes desleais. Dentro desse contexto, meus meninos são preparados para o mundo da bola, enfatizou o professor Almir, técnico das divisões de base do Campinense a época, que disputou uma das edições da Supercopa Cachoeira de Paulo Afonso de Futebol em 2011.

A referida competição por catorze anos foi a menina dos olhos de clubes do Brasil. Durante oito dias, o velho Ruberleno era invadido por garotos do Brasil, com o sonho único de ser descoberto por algum olheiro. Professor Luciano Reis, ex-Vitória, foi um dos primeiros a avaliar a qualidade técnica dos garotos, com experiência internacional. Luciano sempre exaltou o alto nível da competição e até hoje não consegue entender os motivos "políticos" que destruíram muitos sonhos de garotos de Paulo Afonso e região.

Nesse quadro que passamos a escrever em nosso site, vamos destacar vários garotos que hoje já são ídolos em seus clubes e têm muitas histórias para contar dos grandes momentos vividos na disputa da Supercopa Cachoeira de Paulo Afonso de Futebol, sendo que nessa primeira matéria vamos destacar o craque ARTUR CABRAL, que atuou pelo Campinense da Paraíba em 2011, onde foi vice-campeão na categoria sub-13 e atualmente joga no Basel da Suécia, emprestado pelo Palmeiras-SP.

Artur Cabral, na disputa em Paulo Afonso pelo sub-13.

A ideia é retornarmos com a disputa da competição em 2021, isso porque a nossa região necessita urgentemente resgatar o futebol de base e oportunizar os jovens de Paulo Afonso e região, pois somos uma cidade com um celeiro de craques que estão esquecidos por falta de incentivos aos esportes, concluiu  Beto da Liga.

Artur Cabral, atuando no Basel da Suécia.
Postagem Anterior Próxima Postagem